21 de abr de 2012

Tony Duquette / More is more


Tony Duquette nasceu em 1914 em Los Angeles, que naquela época, vivia e respirava cinema.
O gosto do jovem Tony e seu talento para criar, o levaram à Metro Goldwin Meyer, onde se tornou o maior criador de cenários da época.
Com a criatividade à flor da pele, Tony logo passou a decorar as casas das estrelas dos filmes, começando por Vincent Minelli.  
Com seu estilo grandioso, exagerado, suntuoso e com uma  habilidade pouco comum para misturar texturas, cores e formas, Tony tornou-se, na década de 40, 50 e 60 o maior decorador das estrelas e cabeças coroadas por tout le monde.
Seus clientes eram reis, condes, duques, milionários (Paul Getty, Elizabeth Arden),  estrelas como Greta Garbo e Doris Duke. Além de hotéis como Ritz e Carlton. 






Duquette era uma estrela. Sua assinatura em móveis, tecidos e festas, rendiam muitos dólares. Quem não podia ter uma casa decorada por ele, comprava suas cadeiras, biombos e os icônicos sofás sem braço que ele amava.












Seus livros são indispensáveis aos que gostam de decoração e lifestyle. Uma aula de como imprimir sua assinatura com criatividade e sofisticação. Na livraria da Travessa tem mais dois exemplares (o meu já está garantido!),  clique aqui para comprar, ou lalá pode encomendar na Canto do Livro no Ponteio.

Como a cabeça das pessoas criativas vai à lua (sei bem o que é isso), Tony começou a desenhar jóias. Em pouco tempo, seus anéis, colares e brincos enormes e suntuosos eram as peças mais cobiçadas e desejadas pelas socialites (naquela, ser socialite eram um luxo!) de plantão. Para ver tudo sobre esse assunto vá ao Kika Gontijo e depois volte, claro.










Em 1989, a deslumbrante casa de Tony em Malibu, que abrigava sua coleção de cenários, mobiliário e obras de arte,  foi inteiramente destruída num incêndio. Tony, à época com 75 anos trabalhou com nunca!
Dedicou seus dias e noites a recriar um magnífico jardim, um verdadeiro Shangri-lá com árvores raras e pássaros exóticos. Um monumento, chamado de Shortilegium, que em latim quer dizer ''enfeitiçado''.

Dez anos depois, Tony faleceu em sua casa com seu sonho realizado.









Dono de um bom gosto apurado e sem medo de ousar, Tony Duquette fez escola.

Hoje no Brasil, Sig Bergamim e o nosso mineiro Flávio Bahia,  tem o estilo e o feeling para transformar casas em cenários deliciosos, aconchegantes e sedutores e _ com o que hoje mais falta à maioria das casas: muita, mas muita, personalidade.







Nenhum comentário:

Postar um comentário